Kansas – Kansas (1974)

A banda americana Kansas ganhou destaque no Brasil pela adocicada balada “Dust in the Wind”, presente no ótimo disco “Point of Know Return” (1977). Entretanto, os primeiros trabalhos do grupo são marcados por uma sonoridade progressiva bem original, que não copia meramente as grandes bandas inglesas do gênero como Yes, Genesis, Emerson, Lake & Palmer, Jethro Tull e Pink Floyd, algo muito comum à época. … Continuar lendo Kansas – Kansas (1974)

Paul Stanley’s Soul Station – Now and Then

Guitarrista e vocalista do Kiss revisita clássicos da soul music/r&b e apresenta material inédito em novo trabalho solo gravado em estúdio O Soul Station é um projeto criado por Paul Stanley (guitarrista e vocalista do Kiss) em meados de 2015. O grupo tem realizado algumas apresentações esporádicas em pequenos clubes nas brechas deixadas pelas longas turnês do Kiss. Nesse trabalho, o Starchild busca expressar toda … Continuar lendo Paul Stanley’s Soul Station – Now and Then

Os 50 anos de Sticky Fingers, clássico dos Rolling Stones

Álbum marcou a estreia de Mick Taylor como membro efetivo da banda e legou pérolas como “Brown Sugar”, Wild Horses”, “Sister Morphine” e outras. Apesar do sucesso mundial, os Rolling Stones passavam por momentos conturbados no final da década de 60 e início da de 70. Acontecimentos como a morte do guitarrista Brian Jones, o incidente que resultou na morte trágica de um fã durante … Continuar lendo Os 50 anos de Sticky Fingers, clássico dos Rolling Stones

Livro “1965: O Ano Mais Revolucionário da Música”, por Andrew Grant Jackson.

Autor americano traça um olhar interessante sobre a música, o cenário cultural e social do emblemático ano de 1965. Escrito pelo historiador e músico americano Andrew Grant Jackson, “1965: O Ano Mais Revolucionário da Música“ foi lançado no Brasil pela Editora Leya em 2016. O autor possui no currículo trabalhos para a Rolling Stone Magazine, Yahoo!, Burn Lounge, Mean Street, Dispatch, dentre outras publicações sobre … Continuar lendo Livro “1965: O Ano Mais Revolucionário da Música”, por Andrew Grant Jackson.